8 de fevereiro de 2012

Superando as Gunas, o Tempo e o Dharma


 
Sinopse da Palestra do Puja de Aniversário, Nova Délhi, 21 de março de 1998
Assista a Palestra em inglês e hindi aqui.

Todos os Sahaja Yogis estão juntos e isso é tudo. Essa é a nossa Meca, essa é a nossa Kumbha Mela, dado que todos os Sahaja Yogis estão reunidos.

Tolerância:
Temos de ascender acima do nível humano comum para um nível mais elevado de existência. Se isso ocorrer, então a sua vida modificar-se-á e sentir-se-ão muito felizes. Abandonarão todos esses conceitos absurdos sobre o ódio e a violência em relação aos outros, ou como prejudicar os outros, bem como todas essas idéias, em voga hoje em dia, que dão um prazer sádico para muitas pessoas que se divertem com a maneira pela qual elas destroem a alegria e a felicidade dos outros. A fim de manter a sua felicidade, sendo Sahaja Yogis, têm de agüentar e tolerar muitas coisas insensatas. Aliás, vocês já vêm fazendo isso.

Superando as Gunas (Gunatit):
Eu lhes falei ontem sobre o que estava faltando na consciência humana e que a atenção das pessoas não estava concentrada no Espírito, bem como sobre o que lhes acontece quando a atenção se concentra no Espírito. Em primeiro lugar, tornam-se, segundo uma expressão sânscrita, Gunatit, ou seja, vão além das três Gunas (canais de energia).

Isso significa que não são mais Tamoguni (canal esquerdo), ou pessoas que se permitem ter todos os desejos por coisas levianas e supérfluas.

A sua atenção desloca-se daí para um segundo estilo de comportamento que é o Rajoguni, típico das pessoas voltadas para o lado direito, as quais querem fazer, mostrar ou tornar-se algo, bem como competir com os outros. Todavia, superam isso e todas esses conflitos desaparecem porque Atit significa ‘além’.

Em seguida, vem Sattwoguni, quando então tornam-se buscadores e passam a ver o que há de errado nesses comportamentos extremados. Passam a odiar a vida que levam, querem sair dela e começam a sua busca espiritual. Todavia, isso também acaba. Todas as Gunas terminam e tornam-se Gunatit. Isso ocorre quando a sua atenção se concentra no Espírito. Isso porque a sua atenção não se concentra mais em seus condicionamentos e nem em seus interesses egoístas. Assim, transformam-se em pessoas que estão além de tudo isso. Isso é algo notável, em relação à uma vida chamada normal, porém para vocês é algo que simplesmente acontece. Passam a deleitar-se em ser vocês mesmos e não mais se preocupam com as suas próprias conveniências, conforto ou coisas mesquinhas. Sucede que vão além dessas três Gunas, as quais os dominavam dessa ou daquela forma. É assim que, primeiramente, ultrapassam o limite da consciência humana.

Superando o Tempo (Kalatit):
O segundo estágio ocorre quando se tornam Kalatit – vocês vão além do tempo. Sei que hoje Eu estava atrasada, mas isso ocorreu dessa forma. Todavia, não desperdiçaram o tempo, pois todos estavam, ainda assim, deleitando-se, sentados aqui, de uma maneira muito alegre e estavam se divertindo belamente. Eu não estava aqui, mas todos estavam se deleitando. Isso é algo que fica além do tempo, dado que não se deixam limitar pelo tempo. Seja qual for o tempo, ele lhes pertence, pois permanecem no presente e não ficam aqui pensando no futuro. Não pensam no que lhes ocorrerá amanhã. Não pensam em como pegarão o avião e nem pensam como farão isso aqui. Vocês apenas se deleitam com o presente, pois o presente é a realidade. Se ficam pensando no passado ou no futuro, então não estão na realidade. Já lhes disse várias vezes que o passado acabou e que o futuro não existe. Nesse momento, estavam sentados aqui talvez esperando-Me ou talvez apenas regozijando-se com cada instante de sua estada aqui e com a sua conexão com os outros. Esse deleite sentido por vocês não pode ser descrito por palavras. O contrário ocorreria se as pessoas começassem a olhar para os seus relógios e imaginar por que motivo a Mãe ainda não chegou. Todas as espécies de idéias poderiam vir à sua mente: “será que houve algum problema com Ela? Por que será que Ela não veio ainda?” Ser Kalatit facilita muito as coisas.

Superando o Dharma (Dharmatit):

Vocês se tornam também Dharmatit, isto é, além do Dharma. Além de sua natureza humana. Isso significa que qualquer coisa que façam é um ato religioso, pois todos os seus esforços podem ser considerados sagrados. Digamos que estejam realizando um negócio. Esse negócio será conduzido como se estivessem tratando de um assunto sagrado, porque estão além da religião. Não se preocupam em seguir um padrão peculiar ou característico de qualquer religião, porque estão além de tudo isso. As pessoas que não estão além da religião levantam cedo, deixam-se limitar por seus rituais e executam todos os rituais. Caso não consigam realizar um dos rituais, elas ficam infelizes e abaladas. Todavia, isso não acontece com vocês, porque estão sempre com o Dharma, permanecem sempre num estado meditativo e nada dá errado. Vocês apenas entram num estado de consciência que lhes fornece as soluções dos problemas e não se deixam perturbar quando as coisas não dão certo. As pessoas que adotam uma natureza ritualística tornam-se muito tensas, muito bitoladas e, algumas vezes, elas se tornam também agressivas. As pessoas com seu ritualismo perturbam demasiadamente os outros.


“eu não gosto, eu não gosto…”:
Isso é aquilo que se pode chamar de elemento humano ao qual vocês se apegam ou se aborrecem com alguma coisa. Trata-se de uma espécie de loucura alguém exigir isso ou aquilo, dizendo: “não gosto disso ou não gosto daquilo”. É tão comum alguém dizer: “eu não gosto, eu não gosto…” É muito surpreendente que as pessoas continuem se expressando dessa forma. Elas vão à casa de alguém e dizem: “não gostamos desse tapete”. Todavia, as pessoas não compraram aquele tapete e ele não é delas. A dona da casa comprou aquele tapete. Então, com que direito falam que não gostam do tapete? Quem são para fazer isso? Vocês não pagaram por ele. A pessoa que o comprou gosta dele e ponto final. Por que é que querem fazer esse tipo de observação, ao dizer que não gostam do tapete? Vocês têm algum interesse escuso nisso?

Outro comportamento errado é criticar os outros. Suponhamos que uma pessoa esteja usando um penteado diferente. Então, alguém diz para ela: “não gosto desse tipo de penteado”. A pessoa que está usando esse penteado lhe pergunta: “por que motivo você não gosta?” Então, a outra responde que: “eu simplesmente não gosto dele e isso é tudo que tenho a dizer”. Então, esse comportamento parte daí e se repete em relação a todos os seres humanos. Quem são vocês para não gostar ou gostar de algo? Qual é a posição que ocupam? Por que razão precisam dizer que gostam ou não gostam de alguma coisa? Todavia, esse comportamento é muito comum, principalmente nos países ocidentais, e as pessoas dizem: “não gostamos disso ou daquilo”. Alguém diz: “não gosto da Índia”. Está bem, essa pessoa poderia ter ficado sentada em sua casa e não precisaria ter vindo para cá. Outra pessoa diz: “não gosto da Turquia”. Por que razão ela diz isso? Suponhamos que alguém esteja usando uma saia longa. As outras pessoas dizem que não gostam daquele tipo de saia porque ela é turca e que, na Turquia, as pessoas deveriam usar saias curtas. Ninguém deve dizer que não gosta disso ou daquilo, porque isso fere o orgulho das pessoas.

Idiossincrasias dos Sahaja Yogis:
Quando as pessoas entram para a Sahaja Yoga, elas devem dar-se conta de que não são mais seres humanos comuns, que obedecem aos padrões comuns, mas que estão acima deles. As preferências e as idiossincrasias dos Sahaja Yogis obedecem a padrões diferentes. Todas as suas atitudes modificaram-se. Tenho percebido que, algumas vezes, vocês se comportam como crianças. Falam de maneira inocente como crianças pequenas. Muitas vezes, dizem coisas muito profundas. Isso é algo desconhecido para as outras pessoas que se consideram normais, dado que essas pessoas ‘normais’ são muito vaidosas e afirmam o tempo todo o seu ego, dizendo: “eu isso, eu aquilo”. Kabir disse que quando uma cabra está viva, ela diz o tempo todo: “mé, mé, mé” que significa ‘eu, eu, eu’. Quando a cabra morre seus intestinos são esticados para formar uma espécie de fio que é chamado de Dhunak e que é usado para separar as sementes de algodão. Nesse momento, o som emitido por esse fio é “Tuhi, Tuhi, Tuhi” que significa ‘tu és, tu és, tu és’. Vocês são todas as coisas. Quando dizem isso, a sua atenção se desloca dos outros, encontrando falhas nos outros, encontrando o que há de errado com os outros, usando os seus cérebros, o tempo todo, a fim de criticar os outros, para fazer chacota dos outros. Algumas vezes, até para falar mal dos outros. As pessoas gostam de mexericos. Por quê? Elas gostam de mexericos porque não sabem que as outras pessoas são iguais a elas próprias e, que, portanto, não devem tecer nenhum comentário inconveniente acerca delas.

Vikrut:
Essa compreensão e essa sabedoria cheia de amor não existem quando vocês ainda são seres humanos comuns. Os seres humanos comuns ficam com raiva quando se defrontam com a menor provocação. Eles começam a fazer todos os tipos de coisas, como um touro numa loja de louças, e podem se comportar de maneira descontrolada. A razão de ser desse comportamento é que não se trata ainda de um Sahaja Yogi. Um Sahaja Yogi é um indivíduo que se deleita com todas as coisas. Se uma outra pessoa se tornar muito irada e tiver uma explosão temperamental perto de um Sahaja Yogi, ele apenas testemunhará aquilo que está ocorrendo e como aquela pessoa está se comportando. De fato, não faz parte de seu Dharma que fiquem furiosos com alguém. Trata-se de algo muito baixo e grosseiro ficar com raiva dos outros, ficar o tempo todo gritando com os outros, ficar pedindo coisas aos outros, ficar criticando os outros ou ficar pensando que são muito importantes. Com esse tipo de comportamento, no final de sua vida, verão que não terão um amigo sequer.

Quando se comportam de forma muito egocêntrica, acham que não existem limites para vocês e continuam a falar, a matraquear, a falar, a tagarelar e os seus interlocutores ficam saturados daquilo, mas continuam a falar sobre vocês mesmos e a matraquear: “eu fiz isso, eu fiz aquilo, eu fui para tal lugar, eu, eu, eu…” Isso não obedece a nenhum limite e não se sentem envergonhados daquilo que estão dizendo. Já vi pessoas fazerem as coisas mais absurdas em relação aos outros, quando ainda eram seres humanos comuns. Se um indivíduo fala algo inconveniente acerca de outra pessoa: “tal pessoa é isso ou aquilo. Sei que ela fez isso desse jeito”. Isso imediatamente lhe sobe à cabeça. Isso faz com que a sua mente se torne doente e ele aceita essa doença. Trata-se de Vikrut que significa uma mente que não é normal. Essa doença é extremamente perigosa não para os outros, mas sim para vocês mesmos, dado que ninguém pode suportar uma personalidade doentia.

Corrigir a Si Mesmo:
Vocês poderiam dizer que viram pessoas dizerem que adotaram uma religião e que se tornaram pessoas religiosas. Seria melhor que as pessoas fossem religiosas. Todavia, quais são as conseqüências disso? Elas começam a dizer que não se pode fazer isso ou aquilo, que não se pode sentar em determinado lugar e que não se pode comer certas coisas. Elas acham que todas essas proibições são muito importantes. Elas ficam, constantemente, tentando impor uma disciplina aos outros ao invés de se disciplinarem. Isso porque, quando ainda são pessoas comuns, vocês são incapazes de se enxergar. Vocês vêem apenas os outros.

Todavia, quando se tornam almas realizadas, começam a se auto-observar e a ver por si mesmos o que há de errado. Depois de se tornarem o Espírito, sob a luz do Espírito, começam a se enxergar e a perceber o que acontece, como se comportam, e como se regozijam quando aprendem a se corrigir. Trata-se de algo muito doce. Passam a fazer pequenas coisas de um modo muito belo e começam a dizer coisas muito bonitas. É claro que existem pessoas que não podem ser corrigidas, pois elas são incorrigíveis. Todavia, também devem perceber que certas pessoas são incorrigíveis e que não podem ajudá-las. Na Sahaja Yoga, há indivíduos que tentam, incessantemente, ajudar as pessoas erradas, como se eles tivessem uma procuração para falar em nome dessas pessoas. Assim, se alguém tenta fazer algo inconveniente, imediatamente, esperamos receber um telefonema daquele indivíduo que pensa ter uma procuração para falar em nome dos outros. Duas horas depois, ele telefona dizendo: “por favor, digam à Mãe que tal pessoa precisa de ajuda e que se deve fazer isso e aquilo”. É algo habitual para esses indivíduos informar-Me que devo ajudar e que devo fazer alguma coisa em favor de alguém. Isso se tornou uma prática tão comum, que esses indivíduos aparecem e começam a fazer para nós uma longa palestra sobre esse tema.

Tendências do Ser Humano:
Como podem ver, trata-se de algo inerente à natureza de um ser humano que passou por diferentes tipos de complicações na vida. Pode ser que se trate de alguém que já nasceu com determinados genes e que, por isso, não é um indivíduo muito normal, ainda que todos o considerem normal. Isso porque, o modo pelo qual ele reage, as reações que ele demonstra, tudo isso é muito absurdo. Assim, não é necessário que Me telefonem a fim de pedir-Me que Eu cuide de alguém. É desnecessário interferir nos assuntos alheios, quando não dispõem de nenhuma autoridade para isso e nada podem fazer por determinada pessoa. Posso dizer-lhes que os seres humanos têm arraigadas em suas mentes todas as espécies de tendências, mas que todas elas desaparecem (com a Sahaja Yoga).

Não sei se essas tendências são adquiridas por eles através de seus países, ou através de suas famílias ou através de seus genes. Todavia, tudo isso desaparece e até os seus genes se modificam. Esse é o trabalho executado pela Sahaja Yoga, quando então tornam-se o Espírito. Tudo se modifica e vocês se tornam pessoas que sabem o que é a alegria, que se deleitam com a alegria, que se regozijam com a vida, que dão alegria aos outros, que tornam os outros felizes e pensam, constantemente, em como tornar os outros felizes. Isso simplesmente acontece. Embora sejam criados da mesma forma que outras pessoas o são ou talvez vocês sejam educados da mesma maneira, tudo isso desaparece e tornam-se pessoas sábias, belas e alegres. O modo pelo qual estão se regozijando nesse local (Scouts’ Camp) indica que já alcançaram isso, embora não tenham total consciência disso.

Nenhum outro grupo de pessoas poderia usufruir de tanta alegria como vocês estão usufruindo. Posso constatar o que estão fazendo aqui e como estão se rejubilando com isso. É muito louvável ver como estão se alegrando na companhia uns dos outros. Isso acontece porque seus corações estão plenos da alegria do Espírito que brilha dentro de vocês. Podem analisar-se e verificar se o que Eu estou dizendo está ocorrendo ou não. É claro que existem pessoas que, por se julgarem especiais ou por outro motivo, se hospedam num hotel ou em algo similar. Essas pessoas não estão se alegrando, porque ainda pensam que são muito importantes e que, por isso, devem ficar num outro local.

Alegrar-se com Todos:
Se quiserem saber como são os cristãos, é bom que perguntem aos judeus. Se quiserem conhecer os judeus, perguntem aos muçulmanos. Se quiserem conhecer os muçulmanos, perguntem aos hindus. Vocês ficarão admirados ao ver como todos eles falam dos outros, como se os outros fossem péssimos e eles próprios os melhores.

Toda a sua atitude diante dessas coisas se modifica. Vocês se esquecem disso, não querem saber quem são as pessoas ou a que religião pertencem, nem de que família elas vieram, nem acerca da educação formal que tiveram, pois todos vocês se tornam unificados uns aos outros. Alegram-se com a companhia de todos os Sahaja Yogis. Todos os Sahaja Yogis estão juntos e isso é tudo. Essa é a nossa Meca, essa é a nossa Kumbha Mela, dado que todos os Sahaja Yogis estão reunidos.

A alegria coletiva que sentem veio a vocês porque cruzaram a barreira que os impedia de ver a verdade. A verdade, como lhes disse ontem, é que vocês são o Espírito. A partir do momento em que se tornam o Espírito, transformam-se em Gunatit, Kalatit e Dharmatit. A partir do momento em que cruzam esses limites, tornam-se como uma gota no oceano. Se a gota permanecer fora do oceano, ela sempre terá medo de que o Sol venha a secá-la. Ela não sabe o que deve fazer, como deve escapar e como mover-se. Todavia, na medida em que a gota estiver dentro do oceano, ela apenas se movimenta com o oceano e alegra-se porque não está sozinha. Ela não está sozinha. Ela se move com as ondas do belo oceano de alegria. Isso é o que devem conquistar e de que devem dar-se conta. Todavia, vocês não sabem, mas já alcançaram isso, dado que são o Espírito.

Grandeza Interior:Quando se tornam Dharmatit, colocam-se além do Dharma. O que acontece então é que o Dharma se transforma em parte integrante de vocês. Vocês não fazem coisas erradas, simplesmente não as fazem. Não é porque alguém lhes disse para não as fazer ou porque querem segui-las, ou porque existe uma compulsão ou uma disciplina. Vocês simplesmente não querem fazer coisas erradas ou dizer algo que não seja respeitoso, que não seja amoroso ou que não ajude os outros. Essa é a qualidade de um Sahaja Yogi, quando ele se torna o Espírito. Ao se tornarem o Espírito, não precisam dizer isso aos outros. Trata-se de algo muito óbvio, muito evidente, e as pessoas podem ver isso. Quanto mais se aprofundarem, mais descobrirão que estão dotados de uma grandeza interior, de sentimentos muito belos, de coisas maravilhosas em seu interior. Isso significa que superaram o ego dos outros.

A luz do Espírito é o maior fator orientador que os levará a se transformar, como já foi dito, em Gunatit, Kalatit e Dharmatit. Vocês não se deixam mais escravizar por coisa alguma. Não são mais escravos de seus relógios, nem do tempo e nem das suas Gunas. Vocês não se preocupam em ver se são orientados pelo canal direito, pelo esquerdo ou se estão no centro. Vocês são Sahaja Yogis e os Sahaja Yogis estão acima de todas essas coisas e, por isso, são Gunatit. São Dharmatit, porque o Dharma torna-se uma parte integrante de vocês. Não precisam seguir qualquer disciplina imposta pelo Dharma.

Rigidez e Disciplina:

Tenho visto na Sahaja Yoga que em alguns Ashrams as pessoas são muito rígidas: isso não deveria ser assim. Eu já lhes disse para não serem rígidos. Se alguém não se levantar às quatro horas da manhã, isso não tem importância. Deixem que ele acorde às dez horas da manhã. Após certo tempo, ele espontaneamente acordará às quatro horas da manhã. Todavia, não tentem impor uma disciplina muito rígida.

Nem as crianças devem ser submetidas à uma disciplina excessivamente rígida. É claro que se forem almas realizadas, elas serão naturalmente ótimas e belas por si mesmas. Se elas não forem almas realizadas, tentem dar-lhes a realização. Na medida em que perceberem que algumas pessoas (que não são realizadas) estejam cometendo muitos erros, dado que estão na escuridão, a atitude de vocês em relação a elas mudará. Devem tentar ser extremamente pacientes, bons, afetuosos, e amorosos com elas. Isso porque, sabem que essas pessoas não são realizadas, que não obtiveram os seus olhos, que não podem discernir as coisas, elas são cegas, não podem ouvir e não podem sentir a realidade. Assim, a primeira coisa a ser feita é fazer com que elas sintam a realidade, pois não será de nenhuma valia fazer uma palestra para elas ou impor-lhes qualquer disciplina. Essas pessoas continuarão a praticar erros e a perturbar os outros e a si mesmas.

Ouçam os Problemas dos Outros:
Para isso, devem dar-se conta de que possuem a luz e os outros não a têm. Assim, devem ter muita consideração, muita tolerância e compreensão acerca dos problemas dos outros. Devem ouvi-los, a fim de descobrir quais são os seus problemas. Alguém pode dizer-lhes: “meu negócio está indo mal” ou outra pessoa pode dizer-lhes: “minha esposa não é boa”. Outro ainda dir-lhes-á: “meu filho não está trabalhando. Ele não tem emprego”. Os outros poderiam lhes dizer todas essas coisas. É muito importante para eles que vocês os ouçam. Essas pessoas ficarão, gradativamente, mais tranqüilas, porque vocês estarão emitindo amor, alegria e confiança, através de seu despertar espiritual, pois vocês possuem esses poderes. Apenas pelo fato de permanecerem em determinado lugar, vocês são capazes de criar paz nesse lugar. Podem criar felicidade nesse lugar.