29 de junho de 2014

A Chave

“A Sahaja Yoga se prova por si mesma. Ela não precisa da sua ajuda. Se há Verdade, então vocês melhoram (a si mesmos) por aceitar a Verdade. Sua posição se eleva, não a posição da Verdade.”

Shri Mataji Nirmala Devi no discurso realizado no Seminário da Sahaja Yoga em Bordi Shibir, Maharashtra, Índia (27 de janeiro de 1980)

Soundcloud

Nota de Sahaja Yogi: Anavopaya seria mais um movimento de negação ou discriminação de fora para dentro e Shaktopaya seria um movimento completamente afirmativo e integrador de dentro para fora, onde Nirodha opera internamente, espontaneamente.


“A Sahaja Yoga não é para Mim, absolutamente, Eu não tenho de praticá-la. Vocês é que devem praticá-la e ganharem conhecimento do que é o seu Si. A única coisa que posso fazer é Shaktipath. Mas realmente nem isso Eu faço, lhes digo. Eu nada faço, estou apenas parada quieta. É simplesmente gerenciado , o que posso fazer? É a Minha natureza. Simplesmente flue. Funciona dessa maneira” (…)


Conhecedor e conhecimento separados:

“Vocês não podem conhecer religião externamente, assim como essas pessoas que dizem: ‘Allah Ho Akbar, Allah ho Akbar’ e matam; ou sentam-se na Igreja e dizem ‘Vamos cantar os hinos tal e tal’; ou que vendem todos os tipos de ..., não sei, drogas, em nossos templos Esse contraste não é entendido por ninguém; como pessoas religiosas podem ser assim? Inúteis. Elas são muito boas, certo? O que elas fazem? Elas fazem algumas pontes ou talvez alguns túneis ou podem fazer algum trabalho criativo de escrever algumas novelas ou algo assim. Mas no entanto o conhecedor e o conhecimento ainda estão separados neles. Eles são inúteis para si mesmos, estou dizendo, não para os outros. E a confusão tem de sumir ao se atingir o Absoluto. Mas o tempo todo nossa atenção está para fora, criticando os outros ou achando falhas nos outros ou algum tipo de coisa trivial. Tudo isso parece tão trivial nesse mundo, o modo que nós estamos desperdiçando nossa energia.

A chave é um presente:
Aqui está o armazém dentro de nós, com nossos próprios ganhos, com nossos próprios punyas (boas ações), pelas quais vocês obtém o que lhes foi prometido e para que se alegrem com isso e aqui está a chave para vocês. Mantenham suas mentes abertas e guardem isso, fiquem com isso. É um presente, como vocês mesmos sabem, que ganharam tantos presentes de Deus. Como é que se tornaram seres humanos? O que fizeram para se tornar seres humanos? Isto é um presente de Deus, esse lindo corpo humano, essa mente, vocês ganharam tudo e agora esse mesmo presente irá transformá-los no mais elevado dos elevados presentes que é conhecer Deus. Aquele que os criou está ansioso para lhes conceder todos os Seus poderes, assim como um pai quer doar todas as suas propriedades. Assim peguem isso com as duas mãos, fiquem com isso e alegrem-se.

Assim, não deveria haver problemas para vocês em entender que isso é uma graça especial. Porque vocês são especiais, talvez Eu também seja especial e as pessoas especiais precisam de alguém especial, por isso Eu tive de descer(encarnar) aqui. Vamos receber isso em um modo de admiração mútua. Será uma boa idéia. Não há necessidade de se sentir obrigado porque Eu tenho de fazer isso. Eu Me sinto plena com isso. Eu Me sinto mais leve quando vocês recebem isso.”