20 de outubro de 2013

Raio e Touro sentado



Trechos da Palestra "O Significado da Yoga", ashram de Dollis Hill, Londres, Reino Unido, em 11 de novembro de 1979

Soundcloud

Amruta
“Mas vocês pensam que é assim tão simples? Vocês acreditam nisso?

Sobre as falsas representações e as representações do despertar da Kundalini, o trabalho vivo de Deus:

Processo Digestivo:

“Quando dizemos que comemos essa comida, não significa que como um raio ela tenha entrado no corpo e o tenha atravessado como uma flecha, significa?
Isso significa que vocês provaram a comida em sua boca, que secretaram alguma saliva, mais tarde isso passou pelo esôfago, descendo para o estômago e depois para os intestinos e em seguida para o intestino grosso. Todo esse movimento durante essa passagem é feita através de outros tipos de movimentos que existem nos próprios órgãos. Por exemplo, o próprio estômago vai empurrando isso para baixo, (o sinal?) vindo de seu cérebro. O simpático e o parassimpático operando. É um sistema grande e uma organização que faz isso funcionar.

Organização viva:
Agora, se vocês quiserem separar isso; que o sistema digestivo é diferente, o sistema respiratório é diferente, seu sistema cardíaco é diferente, outro sistema cerebral ou o sistema nervoso é diferente, quero dizer, vocês não podem separá-los assim, seu cérebro esperando de um lado e seu sistema digestivo esperando do outro lado. É uma forma integrada de organização que é uma organização viva, que entendem-se umas às outras, que reagem às demandas. Vocês não podem separar o sistema, mas da forma que é, nossos cérebros estão tão desintegrados ou eles são bons em desintegrar tudo dentro de nós e fora de nós, pois queremos desintegrar a coisa viva que é a Yoga.


A Yoga é uma organização viva:
A Yoga não é uma organização morta. É um processo vivo, absolutamente. Porquanto isso é um processo vivo, não podem fazer nada sobre isso. Assim, isso é Sahaja. No máximo podem alterar um pouquinho e forçar aqui e ali, forçar ao redor e tudo isso. Se uma árvore está nascendo, como no Japão, e eles querem dar-lhe uma forma, então eles cortarão um ramo primeiro e o curvarão um pouquinho mais, um outro ramo curvarão dessa ou daquela forma. Mas seja o que for vivo está funcionando espontaneamente interiormente, com muitas organizações complicadas que são vivas e estão conscientes do que estão fazendo. Por exemplo, seu corpo é muito mais consciente de Mim do que sua racionalidade.”

(...) Assim, seja o que for vivo, é tão bem cuidado, tão bem organizado e esse modo vivo, o qual nós não entendemos, pois nós lidamos com o morto. Se Eu tiver de iniciar esse instrumento, então tenho de saber que deve haver um cabo que Eu coloco na fonte. Eu sempre disse que a Sahaja Yoga é assim; vocês pegam o seu fio e o colocam na fonte. Mas vocês pensam que é assim simples? Vocês acreditam nisso?


Despertar da Kundalini:
Vocês podem tirar a Kundalini e colocá-la na fonte? Não. Quando a Kundalini começa a brotar, quando o despertar se inicia, Ela passa pelos vários centros. Como vocês explicarão que a Kundalini, que está na base de sua medula espinhal, sobe? Agora, se Eu disser a vocês que isso é ainda mais complicado do que o seu sistema digestivo, que a Kundalini que é uma energia, que pensa, entende e ama a vocês e sabe tudo sobre vocês nessa vida e vidas anteriores? Se Ela é tão capaz, Ela sabe de tudo, então Ela é uma entidade por si só. E se Ela tem de subir para sua cabeça, isto é fácil?

Touro sentado:
É a coisa mais difícil. Se vocês têm uma pedra em algum lugar, podem pegá-la e atirá-la para onde quiserem. Mesmo que exista um pequeno verme, ele sabe como sair do caminho de um grande touro que se aproxima. E se o touro se sentar (deitar) em algum lugar, é impossível levantá-lo. Vocês podem tentar o seu melhor. Existem alguns métodos muito drásticos para isso na Índia. Vocês têm de queimar algumas pimentas vermelhas e colocar aquela fumaça no nariz do touro, assim. Somente aí o touro se levantará. Senão vocês tentam tudo e ele não se levantará. Ele ficará bem sentado (deitado) no chão.”