12 de julho de 2009

Turiya

Conselhos dados por S.S.Shri Mataji Nirmala Devi:
Assista vídeo relacionado ao tema.

“... o mais importante para todos nós é saber que existe um nadi que passa pelo Vishuddhi esquerdo para dentro do coração. Começa no coração, vai para cima e passa pelo Agnya. Ele tem quatro pétalas, que desabrocham. É este que lhes dá o estado chamado de Turiya. Nós vivemos em três estados. Nos vivos – no estado desperto, jagruti – nossa atenção vai para isso, para aquilo e tudo o mais, nós desperdiçamos nossa atenção. O segundo estado é aquele que chamamos de sono. Quando dormimos, também todas essas coisas que aconteceram vêm do passado para nós, coisas assim. Então vamos para um estado de sono mais profundo chamado sushupti. É um estado em que você fica em sono profundo e sonha com algo que também é realidade. Vocês podem sonhar Comigo. É como se fosse a parte etérea do subconsciente onde belas informações são passadas. Suponham que Eu venha, digamos, para a Itália. Os italianos podem saber em seu sushupti que Eu vim para cá, ou talvez qualquer um possa saber, isso depende [de cada pessoa].

O quarto estado chama-se Turiya. Existem mais dois estados. Vocês estão no estado de Turiya, que é o quarto. Turiya significa quarto. O quarto estado é quando você está no estado de consiciência sem pensamentos. Quando não há nenhum pensamento – apenas pensem nisso – quando não há nenhum pensamento, você tem que ser inocente. Quando não há nenhum pensamento, você tem que ter vibrações. Quando não há pensamentos, você não pode estar apegado a ninguém. Assim, agora vocês devem vir para esse estado sem pensamentos, que é o Turiya disthuti. E, nesse estado, quando você está nele, essas quatro pétalas que estão dentro de você têm de abrir em seu cérebro. Elas vêm de seu coração para seu cérebro. E é então que você entende absolutamente o que é Deus. Sabe absolutamente o que é Deus. Este é o momento em que se recebe o verdadeiro conhecimento, mas a não ser e até que essas quatro pétalas se abram, pode-se decair.” (MahaShivaratri Puja, 16/02/91)

“Assim, quando vocês estão no centro, vocês testemunham, começam a testemunhar. Quando vocês se estabilizam no centro. Porque as pessoas são de tal maneira que começam no lado esquerdo, vão para o direito, tornam-se tão orientadas pelo ego que é impossível lidar com elas, mas se vocês permanecerem no centro, este é o quarto lado, é permanecer no centro. Turiya é a quarta dimensão. Se vocês puderem ficar nela, então tornam-se a testemunha. E este é o ponto em que vocês começam a absorver a alegria de todos os momentos. Todos os momentos, de tudo, de cada trabalho, de cada amizade, de cada relacionamento, de cada entendimento.” (Palestra, Brompton Square, Londres, 7/12/81)

“Assim, o relacionamento com a Adi Kundalini é que ela é o reflexo da Adi Kundalini. Agora, o reflexo – supondo que vocês peguem um espelho indiano; vocês olham para o espelho e percebem que não se parecem com nada neste mundo, ele irá reparti-los em três pedaços, talvez, ou qualquer outra coisa. Mas se vocês pegarem um espelho belga, por exemplo, então o reflexo é correto, completo – mas ainda não tridimensional. Mas este é um reflexo de quatro dimensões – é quadrimensional, o que é chamado de estado de turiya. E vocês refletem essa personalidade quadrimensional por que são o refletor de seu desejo. O refletor é o desejo e o reflexo é completo.”
(Puja de Shri Adi Kundalini, 11/8/91)

Turiya é o quarto estado. No quarto estado, vocês dominam estas três gunas, vocês controlam todos os elementos. Nesse estágio, vocês apenas falam e as coisas funcionam. Vocês viram ontem o que aconteceu Comigo. Simplesmente funciona, vocês se tornam mestres destas três gunas. Como Eu costumava descrever, primeiro você está sentado no carro e alguém está dirigindo. Ele usa seus lados esquerdo e direito, ou vocês podem dizer, o freio e o acelerador e o carro é dirigido. Então, ele começa a lhe ensinar como dirigir. Você começa a aprender a usar sua esquerda e direita, o acelerador e o freio. Então chega o terceiro estágio, quando você se torna o motorista, mas ainda se preocupa com o mestre que está sentado atrás, porque você ainda está cometendo erros, fazendo errado. Mas, então, o quarto estado chega, você se torna o mestre. Você faz os outros dirigirem. Comanda aqui qualquer um, comanda o Sol, comanda a Lua, comanda. Comandar significa apenas dizer a eles, não quero dizer que exista nenhuma relação de dominação. Apenas deseja. Apenas fala e isto se realiza. Agora, o quarto estado é chamado de Turiya Dasha.

Depois vem o quinto estado, no qual – não quero dar nomes, pois vocês se apegarão a eles. Eles não são tão bem definidos. Eles se misturam uns aos outros, percebem, são misturas. Mas, no estado de Turiya, quando vocês amadurecem adequadamente, então vocês entram no quinto estado, no qual vocês sequer, vocês fazem Sankalpa, vocês nem sequer determinam ou dizem alguma coisa. Vocês simplesmente, qualquer coisa sai da boca de vocês, pode nem sequer sair – e se realiza. É um estado. Assim, vocês têm toda situação sob controle, sentados aqui.

Sentados aqui, vocês pode saber de todas as coisas. Então, não apenas vocês as dominaram, como podem penetrar nelas. Agora, por exemplo, Eu lhes direi como. Eu posso entrar em seu subconsciente, no seu subconsciente coletivo, nos seu supraconsciente, em todas as áreas que vocês vêem. Eu posso, se quiser. Isso acontece quando vocês as dominaram completamente, então vocês entram nelas. Quando vocês são o mestre, então vocês entram nelas. Quando vocês são o mestre dessa casa, podem entrar em qualquer lugar. Então vem o sétimo estado e este é o estado onde vocês simplesmente são. Sua presença é suficiente. Apenas estar lá. Nada existe, apenas vocês – para si mesmos. Agora, vocês podem alcançar todos esses sete estados, porque Eu estou além deles e desci para o primeiro estado. Estou tentando empurrá-los. Se vocês não Me puxarem para baixo, posso empurrá-los para cima muito rapidamente. Então o único pedido é: não Me puxem para baixo.”
(Palestra no Seminário de Old Arlesford, Reino Unido, 18/5/80)

Tornando-se a Realidade