10 de maio de 2011

Os Estados da Consciência Humana

"Esvazie-se de tudo. Deixe a mente ficar calma."
Lao-Tsé, Tao Te Ching, verso 16

As escrituras da Índia descrevem os seguintes estados da consciência humana:

Jagruti - o estado da consciência desperta;

Swapna - o estado de consciência dos sonhos;

Sushupti - o estado de sono profundo, no qual a mente, o ego e o superego estão calmos;

Turiya - o estado de consciência sem pensamentos, que está além da mente.
Assista vídeo relacionado ao tema.

Os três primeiros estados de consciência são comumente experimentados em nossas vidas diárias. O quarto estado, Turya, é o da consciência sem pensamentos ou Nirvichara Samadhi. Esse é o estado no qual a constante entrada e saída de pensamentos na mente tem um fim. A princípio, uma brecha começa a aparecer entre os pensamentos e é conhecida como vilamba.

A medida em que essa abertura cresce, os pensamentos diminuem e, com a prática regular da meditação, a mente entra em consciência sem pensamentos e fica calma como um lago sem nenhuma ondulação, e uma profunda paz interior começa a aclarar nossa consciência. Quando não há ondulações na água do lago, sua superfície fica quase invisível, pois reflete a beleza da paisagem ao redor - as árvores, o céu e as nuvens. Da mesma forma, a mente quieta reflete a beleza da criação e dissolve-se na bem-aventurança e na paz do divino.


"Agora faremos a descrição de Yoga (união). Yoga é a cessação do fluxo natural de pensamentos da mente. E então o Si reside em sua própria natureza. De outro modo, ele se identifica com os pensamentos."
Patanjali, Yoga Sutras

"O regozijo somente é possível quando você está além de sua mente. Com a sua mente você nunca pode regozijar. É como uma grande carga. Ela não atuará, não ajudará. O regozijo vem quando você está em completo silêncio - num lago plácido. Os reflexos de toda alegria que é criada nas margens daquele lago são refletidos completamente, eles não são desviados. Se houvesse ondulações, haveria uma imagem completamente diferente e ela não estaria em nada próxima da imagem da realidade."
Shri Mataji Nirmala Devi, Itália, 1. de outubro de 1995

No estado de consciência sem pensamentos estamos inteiramente no momento presente, no estado de 'existir' e não desperdiçamos os momentos preciosos da vida pensando sobre tempos que estão terminados para sempre ou ainda por vir. Começamos a desfrutar do nosso Si, de nosso Espírito, de nossa própria beleza interior e da beleza da criação. Começamos a desfrutar de 'existir'. Somos capazes de apreciar o canto dos pássaros e o perfume das flores num nível muito mais profundo, já que não somos mais bombardeados pelo burburinho mental sem sentido, que assalta nossa consciência e polui nossa atenção, distraindo-nos das alegrias simples da nossa existência.

Nesse estado começamos a sentir as vibrações de nossos chacras e de nosso ambiente(e o efeito de nosso comportamento e estilo de vida) nas pontas de nossos dedos.

"O Si, o qual de fato é o Senhor e que é chamado 'Eu', porque ele reside no corpo, é diferente dos corpos físico e sutil. 'Eu sou aquele Espírito. Eu sou sem atributos, sem ação, eterno, sempre livre e indestrutível. Eu não sou o corpo que está sempre mudando e é irreal.'Isso é chamado Conhecimento, pelos sábios'."
Shri Adi Shankaracharya




Fonte : Guia para Iniciantes da Sahaja Yoga